2
min read
A- A+
read
C-Track 50 promoting multi-level stakeholder involvement for a successful energy transition in cities and regions during the EU Regions Week 2019
C-Track 50 promoting multi-level stakeholder involvement for a successful energy transition in cities and regions during the EU Regions Week 2019

Qual é o caminho a seguir pelas regiões e cidades europeias na transição energética para uma Europa neutra em termos de clima até 2050? Esta questão predominou o evento promovido pelo projeto C-Track 50 intitulado “Implementando o Acordo de Paris: cidades e regiões da UE em transição energética”, que teve lugar no dia 9 de outubro de 2019, no âmbito da Semana Europeia das Regiões e Cidades em Bruxelas.

Nas discussões plenárias e de grupo aberto, a sessão destacou oportunidades, soluções e possíveis caminhos para uma transição energética europeia de diferentes contextos temáticos, designadamente as regiões energeticamente dependentes do carvão, ilhas, pobreza energética, cidades inteligentes e comunidades energéticas.

A sessão, organizada pelo Comité das Regiões Europeu, pela Direção-Geral de Energia da Comissão Europeia e pelo ICLEI Europe,parceiro do projeto C-Track 50, no âmbito do projeto, sublinhou a ambição clara de todos os representantes políticos, desde o nível local até ao nível europeu, para que a Europa eleve a fasquia a nível internacional para alcançar a neutralidade carbónica até 2050. As contribuições centraram-se em como a Europa poderá descarbonizar o abastecimento energético com as regiões, municípios e cidadãos. Ao abraçar os mecanismos da governação multinível da União Europeia e as diversas pré-condições, em particular das regiões insulares e das regiões energeticamente dependentes do carvão, os participantes realçaram a necessidade de uma estratégia holística, equitativa e ambiciosa tendo em conta as perspetivas regionais e locais e colocando de lado medidas e instrumentos concretos.

Os oradores de painel Jerzy Buzek (Parlamento Europeu, Comité ITRE), Witold Stępień (Lódzkie Regional Assembly), Eero Ailio (DG ENER), Yunus Arikan (ICLEI Europe) e Sarah Zamoum (Rise for Climate Belgium) realçaram a necessidade de oferecer aos cidadãos alternativas viáveis e apoio para substituir os rendimentos provenientes do setor dos combustíveis fósseis e desbloquear os ativos da transição. Neste contexto, os subsequentes debates procuraram definir uma combinação de medidas bem sincronizadas a curto, médio e longo prazo. Os debates não focaram somente no apoio financeiro para as regiões energeticamente dependentes do carvão, mas os participantes também debateram modelos de tributação de carbono e incentivaram a celeridade de projetos piloto e de demonstração para estabelecer novas tecnologias e convidar os cidadãos a participarem como partes interessadas ativas na mudança.

colaborar e trocar boas práticas para uma transição energética justa, equitativa e benéfica para todos.

A sessão também recebeu contribuições de

Paul Baker (Regiões em Transição), Gustaf Landhal (GrowSmarter), Wioletta Dunin-Majewska (DG ENER), Josh Roberts (Rescoop) e Laura Bazen (Climate Rise Belgium).

Veja novamente a sessão aqui, e encontre aqui um resumo detalhado das mensagens principais e citações.

“Um Fundo para uma Transição Justa para apoiar a transição nas nossas regiões, como as mais vulneráveis entre as regiões intensivas de carbono, é ainda mais justificado e urgente à luz da estratégia a longo prazo até 2050 da UE e o “Acordo Verde Europeu”. Um Quadro Financeiro Plurianual separado e mais dinheiro para o Fundo é crucial” referiu Jerzy Buzek, do Parlamento Europeu.